top of page

O Plano Regional de Desenvolvimento do Médio Piracicaba é uma iniciativa de 9 Associações Comerciais da Região. O objetivo é estabelecer uma agenda de desenvolvimento sustentável para este território de Minas Gerais marcado por muitas ambiguidades socioeconômicas e ambientais.

Alinhamento

Para estabelecer uma convergência com políticas públicas já existentes, este Plano está sendo elaborado buscando um alinhamento com Política Nacional de Desenvolvimento Regional do Ministério do Desenvolvimento Regional que preconiza sua atuação em prol da redução das desigualdades, conforme quatro objetivos prioritários:

I - Promover a convergência dos níveis de desenvolvimento e de qualidade de vida inter e intra regiões brasileiras e a equidade no acesso a oportunidades de desenvolvimento em regiões que apresentem baixos indicadores socioeconômicos;

II - Consolidar uma rede policêntrica de cidades, em apoio à desconcentração e à interiorização do desenvolvimento regional e do País, considerando as especificidades de cada região;

III - Estimular ganhos de produtividade e aumentos da competitividade regional, sobretudo em regiões que apresentem declínio populacional e elevadas taxas de emigração;

IV - Fomentar agregação de valor e diversificação econômica em cadeias produtivas estratégicas para o desenvolvimento regional, observando critérios como geração de renda e sustentabilidade, sobretudo em regiões com forte especialização na produção de commodities agrícolas ou minerais.

EIXOS E ESTRATÉGIAS

FORTALECER O ASSOCIATIVISMO

Identificar empresas e MEI's de cada cidade para determinar os segmentos econômicos presentes, identificar vocações, negócios tradicionais e densidade de empresas.

- Criar uma Central de Compras Coletivas para segmentos específicos contemplando empresas associadas da região

 

- Desenvolver uma plataforma virtual de negócios que liste todas as empresas por segmento e busque interação com os consumidores por meio de promoções, liquidações, etc

 

- Identificar segmentos econômicos com potenciais para a formação de Arranjos Produtivos Locais

 

- Potencializar Encadeamentos Produtivos que possam fomentar a geração de negócios entre empresas da própria região

 

- Criar o Programa de Modernização da Gestão e Competitividade com temas como inovação, tecnologia, sustentabilidade e marketing digital aos associados

 

- Criar o Hub de Produtores Rurais para o incremento da geração do agronegócio sustentável e disseminação de negócios inovadores e com o viés da agroecologia

 

- Estabelecer maior aproximação dos associados com as grandes empresas da região para aumentar o volume de compras locais por meio de Rodadas de Negócios e outras estratégias

SUSTENTABILIDADE E NOVOS NEGÓCIOS

Mapear as potencialidades e ativos ambientais, culturais, artísticos, turísticos e econômicos de cada município.

- Desenvolver o Arranjo Produtivo Local de Turismo com a criação de roteiros integrando a região

- Estabelecer políticas de valorização da cultura local com especial atenção às manifestações artísticas, patrimônio, história e gastronomia como fonte de novos negócios

- Identificar oportunidades e trabalhar para a atração de novos negócios que podem se instalar na região

- Trabalhar incansavelmente pela duplicação da BR 381 e identificar as oportunidade de negócios durante e após a duplicação

- Atuar junto às grandes empresas que estão realizando novos investimentos na região (duplicação Arcelor e Projeto Apolo) para integrar as ações destas empresas com as demandas da região

- Focar no empreendedorismo de negócios sociais de impacto para fomentar os micro e pequenos empreendedores com ênfase na geração de novos negócios criativos sustentáveis 

INOVAÇÃO E DESBUROCRATIZAÇÃO

Identificar, em cada município, os principais entraves ao desenvolvimento socioeconômico sustentável para elaborar uma agenda de destravamento e aceleração do desenvolvimento.

- Desenvolver um programa de desburocratização junto às prefeituras para identificar, em cada município, as leis, decretos e regras municipais que dificultam o desenvolvimento socioeconômico sustentável

- Atuar junto às Câmaras Municipais para a criação de comitês legislativos de revisão da legislação municipal com a participação da sociedade civil organizada

 

- Atuar junto aos Órgãos estadual e federal de controle e fiscalização para assegurar que o processo de revisão tenha amparo constitucional

COMPETITIVIDADE TERRITORIAL

Definir um conjunto de indicadores municipais de competitividade que deverão ser identificados, quantificados na atualidade e trabalhados visando a elevação dos índices.

- Identificar os indicadores mais importantes para a atratividade de  novos investimentos, especialmente os de tecnologia limpa, economia circular, bioeconomia, economia criativa e

- Criar processos perenes e confiáveis de atualização destes indicadores para assegurar que os dados sejam confiáveis e transparentes

- Pactuar metas de melhoria contínua com as Prefeituras, Câmaras Municipais e entidades representativas da sociedade civil organizada

- Criar uma premiação para valorizar e incentivar a superação das metas

 

- Divulgar para tornar estes indicadores e seus resultados acessíveis

bottom of page